quinta-feira, 27 de novembro de 2014

"FADA DOCE"

"FADA DOCE"

Quem me dera ser uma fada
Para viver num mundo encantado
De fadas com asas para sentir o vento
A bater no meu rosto, sem tempestades
Sem ansiedade que me finge
E devoram de saudade de ter-te nos meus braços
Quero-te nas noites tardias, sem cobranças
Que se perdem entre os nossos olhos
Quero-te no refugio dos sentimentos, nos beijos
Náufragos de sentidos, de encantos na alma
Quero-te nas horas que marcam a tua chegada
Perpetuam as palavras sussurradas no meu ouvido
Quem me dera ser uma fada no enlace do nosso destino.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

sexta-feira, 21 de novembro de 2014

"SEGREDOS"


"SEGREDOS"

Dedos por dedos que descobrem segredos
Nos poemas de tantos caminhos que travo
Dúvidas lamentos que o mundo grita por dentro
Dores de um silêncio das minhas rugas e vincos
Contam a história escrevendo o que sou, fui e serei!

Isabel Morais Ribeiro Fonseca


segunda-feira, 17 de novembro de 2014

AMOR DE ALERTA


AMOR DE ALERTA

Colhe
Em mim o amor
......
O amor
Que se avizinha
.......
Toma-o
Ou
......
Toma-me
Nos teus braços
......
Onde no teu ombro
Eu repouso
.......
O meu corpo
O meu cansaço
........
Perdidos e germinados
Num único olhar
.....
Em ti refaço-me
Das dores da alma
......
O meu descanso
O meu remanso
........
O amor de alerta
Que me penetra nas entranhas
.......
Talvez de tantas
Tantas artimanhas
........
Colhe em mim o amor
O amor que se avizinha.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

terça-feira, 11 de novembro de 2014

UM CONTO "HOMEM SÓ, JÁ NÃO"



UM CONTO "HOMEM SÓ, JÁ NÃO"

Homem deixado entregue ao seu destino
roto quase despido, tinha chorado, tinha gemido.
Já tinha fugido das responsabilidades, tantas vezes do tempo
Da verde eufórica mocidade, agora já na madura velhice
O gosto falso de uma caminhada dada na verde preguiça,
Onde quis fortalecer a fraqueza da solitária serra
Mora nos bosques repletos de diversidades, nos rochedos nas grutas
Com o seu fiel amigo, um lobo abandonado
Por um caçador repugnante que tantas vezes batia no lobo indefeso
Como nos cães que ele tinha e tem
Caçavam juntos o homem sem nome,
Ele não gosta nem de lembrar o seu passado
Apenas o presente numa terra agreste dura
Fugia das pessoas que o olhavam de lado chamando-lhe louco
Coitado diziam, mal sabiam
Que era mais feliz numa gruta na serra
Do que com um bom carro que tinha
Um Audi topo de gama, uma casa na zona mais cara de Lisboa.
Mas não era feliz, encontrou a felicidade quando o deixaram
O roubaram, entregue a si próprio no meio do Monsanto,
Roto quase despido e  revoltado
Quando deu-se por ela era um sem abrigo triste e solitário.
Resolveu fugir da cidade para o campo
E foi quando começou a viver nas grutas das serras
Enfiados nos rochedos, nas fragas
Foi quando viu um animal quase morto cheio de feridas
Não deixava ninguém aproximar-se dele
Estava moribundo mas tinha garra
Afinal era um animal selvagem
Domesticado por um verdadeiro animal o seu dono
Um caçador que o tinha roubado à sua pobre mãe loba, coitada
Lentamente começou a aproximar-se, mas o lobo uivava
Ele com calma foi ganhando confiança
O lobo começou a baixar a guarda, estava tão ferido que metia dó
Mas devagarinho conseguiu aproximar-se dele
Tinha caçado um coelho selvagem
Coitado nunca tinha comido carne crua
Era repugnante dizia ele em pensamento, comer a carne crua
Mas o amor que ele tinha por aquele animal ferido
Era tanto que nunca tinha sentido por ninguém
Era uma mistura de sentimentos desconhecidos dele até então
Repartiram a carne entre os dois e a confiança estabeleceu-se
Ele conseguiu agarrar-se ao lobo que ainda o abocanhou
não o mordeu, aceitou o abraço de um homem que não conhecia
Afinal o antigo dono nunca o tinha abraçado
Só lhe batia como batia nos seus cães o caçador era um homem rude
Talvez sem instrução coitado não é desculpa mas enfim
O lobo tinha ganho um amigo, o homem tinha ganho
Mais uma razão de continuar o seu destino
Já não estava sozinho tinha um fiel amigo, o lobo.
Andam assim os dois pelas serras, montes
Bosques, rochedos, fragas e grutas do nosso amado Portugal!

Isabel Morais Ribeiro Fonseca


segunda-feira, 10 de novembro de 2014

AMO-TE....


 AMO-TE

Amar é desatar os nós
Dos sentimentos mais íntimos
É sentir o perfume e a leveza das almas
Revelando as emoções, deixando cantar o coração
Expressando a linguagem do corpo e da alma.

Isabel Morais Ribeirio Fonseca