sábado, 25 de abril de 2015

FADO DA SAUDADE

FADO DA SAUDADE

Fado vadio, fado da saudade
Nesta noite fria bebemos um vinho
Um tinto maduro, amargo como a vida
Com o travo a alecrim, a rosmaninho
Ou talvez um bom vinho do porto
Na sala toca-se, canta-se o martírio maior
O fado de dor, da saudade meu amor
Choram as nossas dores ao som dos passos
Da vida feita em pedaços, melodia orvalhada
Refeita de felicidade, do passado, presente
Na sala o silêncio é total, nesta noite fria, já quente
O coração fala mais alto, segredos sem voz
Com o silêncio a tristeza cala-se, inibe-se de amor
Na rua escura ausente de pranto, não passa ninguém
Voz magoada, flor do deserto, de uma canção tão bela
Que nem às paredes caiadas, nem a Deus me confesso
Dos teus fixos olhos castanhos, já presos nos meus
Fado de lágrimas cansadas de quem já muito ama e amou.
 
Isabel Morais Ribeiro Fonseca

 

segunda-feira, 20 de abril de 2015

POESIA SOLTA

 POESIA SOLTA

Com a minha doce poesia
Posso embrulhar as fitas da liberdade
Com as minhas ternurentas tranças
A saudade de todas as minhas lembranças
Memórias que derretem com o tempo
Sopram assobiando em silêncio com o vento
Derramam uma ou mais que uma lágrima
Sem ser envergonhada, sem ser atrevida
Apago todas as minhas pegadas deixadas por mim
Sem nunca ter medo de dizer sim, mas também dizer não.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

segunda-feira, 13 de abril de 2015

"EU TU, TU EU"

"EU TU, TU EU"

As palavras escritas
São deixadas no papel
A dizer muitas vezes
O inverso de uma mudança
Entre uma aparência
Com intenção implícita
De um encontro mútuo
Que corre de um gesto.
Amor hipnotizante entre
Dois seres apaixonados
Espero amor meu
O tempo do tempo
Por um amor intenso
E por instantes, nós
Estaremos entrelaçados
Ligados às palavras escritas
Que são deixadas no papel.
 
Isabel Morais Ribeiro Fonseca

terça-feira, 7 de abril de 2015

ALMA DE PRANTO

ALMA DE PRANTO

Quando a dor não cabe no peito
A alma transborda de solidão
Não conheço, não quero conhecer
Ou talvez conheça a minha escuridão
Como posso lidar com a dos outros
Nas lousas frias, chegam as aflições
Rasgam o sol da escuridão já tão longa
Palavras duras que transbordam
Excessivamente a luxúria na sua ausência.
Solidão morta habitada, reservada e fria
Resignação quando o medo se torna grande
E a liberdade é tantas vezes pequena
Onde se descansa o corpo na cama estreita
A roupa que se veste, na alma é apertada
Cumplicidade que cresce sem asas
Silêncios de deslumbramentos sombrios
Perpétuos olhos feitos, em ousadias comum
Dor transbordada sem contingência solta no peito
Como posso lidar com a escuridão dos outros
Se não conheço a minha própria escuridão.
 
Isabel Morais Ribeiro Fonseca