quinta-feira, 15 de outubro de 2015

TU TALVEZ NUNCA SAIBAS

TU TALVEZ NUNCA SAIBAS

Talvez tu nunca saibas
Mas dormes nos meus dedos
Entre o tiramisu de manga
Do queijo mascarpone
E dos biscoitos com chocolate
Talvez tu nunca saibas
Onde as andorinhas fazem os ninhos
Mas sabes bem o sabor do frango
Com mel e gengibre como é maravilhoso
Talvez tu nunca saibas
Que há segredos entre as árvores do campo
No lombo assado com vinho do Porto
Talvez tu nunca saibas
Como as letras constroem a palavra amor
Onde os morangos se juntam ao chocolate quente
Com a paprika, gengibre, caril, pimenta
 
 

Talvez tu nunca saibas
Que por ti chamo a toda a hora e digo que amo
Nas espetadas de camarão com abacate
E batatas em cubos com alecrim
Talvez tu nunca saibas
Que de noite as minhas asas te cobrem do frio
Do nosso filme, o sabor da magia
Talvez tu nunca saibas
Que o vento espalha os meus recados em ti
No arroz basmati com leite de coco e amêndoas
E o pudim de anis que é delicioso
Talvez tu nunca saibas
Que os meus pensamentos são dias perfumados
Do bacalhau à lagareiro e do chocolate quente com canela
Oh meu amor quem sabe se tu sabes
Ou talvez tu nunca saibas que sem ti eu não existo.
No cocktail de vinho do Porto rosé com café.
 
Isabel Morais Ribeiro Fonseca

domingo, 4 de outubro de 2015

OBSERVO-TE COMO GOSTO

OBSERVO-TE COMO GOSTO

Velas por mim nas horas amargas de dor
Adoçando os meus dias das tempestades
Das lágrimas ficamos no silêncio tão nosso
Oiço a tua voz rouca que murmura ao ouvido

No toque das memórias da minha pele na tua
Que o tempo nunca conseguirá sequer apagar
De tantas primaveras que já nos enriqueceram
No teu rosto o brilho dos teus olhos nos meus

Temperamos a nossas bocas de frutos exóticos
Onde pernoitas com a tua mão nos meus cabelos
Como eu gosto de observar-te enquanto dormes
Os meus olhos ficam embriagados de tanto amor

As minhas mãos percorreram o teu corpo a tua pele
Enquanto dormes, o meu coração voa ao teu redor
- E quando partes, deixas bocadinhos de ti em mim.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca