domingo, 22 de novembro de 2015

CARTA AOS MEUS DOCES FILHOS

CARTA AOS MEUS DOCES FILHOS

Quando eu já for velhinha
Eu não serei uma velhinha comum
Vocês já sabem, afinal não gosto
Muito de ficar quieta ou de fazer tricô
Porque nunca tive paciência para tricotar
Quando eu já for velhinha
Não quero que se preocupem comigo
Não se sintam na obrigação
Em visitar-me aos fins de semana
Façam isso quando sentirem realmente vontade
De me ver .saudades do meu abraço
Do meu carinho, do meu beijo.


Ou ainda quando sentirem
Saudades da minha comidinha
Eu estarei na companhia do vosso
Querido pai, o amor da minha vida
Vocês sabem que os meus olhos olham
Para vocês com muito orgulho
Quando eu já for velhinha
Quero ficar na minha casa mesmo
Que seja velha como eu
Vocês sabem que eu valorizo
E amo a minha liberdade
Quero que vocês me olhem e sintam orgulho
Mas me deixem viver como eu quero
Conforme a minha vontade
Não pensem que sou egoísta.


Meus filhos perdoem-me
Se alguma vez eu falhei com vocês
Eu amei-vos e tentei amar-vos
Da melhor maneira que eu soube
Quando eu já for velhinha
Quero muitos netos para mimá-los muito
Não me critiquem se eu exagerar nos carinhos
Afinal vocês tiveram, muitos mimos, carinhos
Abraços, como eu vos amo meus amores
Quando eu já for velhinha
Não sintam pena de mim quando estiver fraca.
Sem forças, não se sintam responsáveis por mim
Eu vivi como eu quis. 


Meus queridos e amados
Filhos da minha alma, sangue do meu sangue
Do meu coração
Meus amores vivam as vossas vidas com amor.
Respeitem os outros, trilhem os vossos caminhos
As vossas estradas, amem, trabalhem
Tenham êxito, sejam corajosos
Sonhem muito e alto
Acreditem sempre em vocês
E sejam muito felizes
Meus amados filhos meus grandes amores.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

 


https://www.youtube.com/watch?v=x2cTSHXl97Q

quinta-feira, 12 de novembro de 2015

VIDEIRA DA RAIZ

VIDEIRA DA RAIZ

Bela charmosa videira com ramos de luz
Vem  comigo brindar com vinho tinto
A ver as águas do rio num azul profundo
Para alegrar o corpo, a alma e o sentimento
Saboroso paladar que me faz rir e sonhar
Desfrutar é amar-te mil vezes, é beijar-te outros mil 
Beber o vinho tinto especial da muxagata
Nos copos de cristal, num olhar, num toque
Os nossos sentimentos murmuram encantos
Respiram calor num paraíso de olhar ardente
Incenso onde afaga na essência plantada de raíz
Dá frutos doces em forma de vinho tinto saboroso
Um desejo saudável de caricias leves de amor
Vem desfrutar da sua leveza, do seu doce aroma
Que encantam a viver a vida de uma forma simples
Me perdi nos teus olhos, videira de soltos ramos
E tu meu amor na cama onde nós sonhamos horas

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

http://www.chaodordem.com/pt/default.html

terça-feira, 3 de novembro de 2015

MÁGICO LIVRO

MÁGICO LIVRO

Sou um livro mágico
Que tu nunca leste, nem iras ler
Páginas recheadas de amor
Sou uma história que não conheceste

Disfarcei-me num livro de amor
Mas tu nem te deste ao trabalho
De olhar, de o abrir de o tentar ler
Se ao menos o tivesses lido

Terias amado e entendido o meu amor
Recebi abraços, sem ser os teus
Afinal escolheste outro caminho
E morreste sem teres lido
Ou vivido esse amor.
 
Isabel Morais Ribeiro Fonseca