domingo, 30 de março de 2014

"DOCE AMOR"

 "DOCE AMOR"

Meu amor estarei nos teus braços
Sentirei de novo o teu calor
Dos nossos abraços e beijos
O aroma e gosto do teu cheiro
Sabor doce e amargo do teu amor
Retiraste os meus cabelos dos meus olhos e beijaste-os
Com as tuas mãos macias acariciaste-me
Os teus olhos ficaram transparentes
Percorreste com eles todo o meu corpo
E as tuas mãos prendi-as às minhas
Pelos nossos corpos numa perdição de amor que acabou no chão
Dos nossos corações que em fúria desmedida
Se fundiam num só querer, nos amamos e saciamos os nossos desejos.
O teu corpo seduz-me com o cheiro de jasmim
Num dia raro.... que nem a chuva nos separa
Sentirmos o cheiro perfumado do.....nosso amor.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca


quinta-feira, 27 de março de 2014

"O DESEJO CRESCE"

"O DESEJO CRESCE"

O desejo cresce inseguramente
Na confusão da carne
Sem palavras, sem gestos
Com gosto a sangue e a carne
Na sombra e na calada da noite
Cresce o crepúsculo de um espelho
Na janela do quarto, voa uma cortina de seda
Quando a noite destaca-se, sente-se
A carne que tem o travo da saliva
Saliva sabe a carne desejada
Não existe o mundo lá fora.
Só os nossos corpos
Genuínos e inalteráveis
Os gemidos de paixão e amor
Que corre como aguas para os rios
Paz exterior das folhas
Que dormem no silêncio na hora da posse
Quando a força de vontade ressuscita
Dentro de nossas almas ilumina-se
Com a luz da palavra despedida
Cresce tomando tudo no teu regaço
Deitados nas noites, à luz das trevas.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca


segunda-feira, 24 de março de 2014

MULHER

 "MULHER"

Eu sei, sou uma mulher
Talvez antiquada
Gosto de amar e ser amada
Especialmente de ser cortejada
Não gosto da vulgaridade
Mas da sensualidade natural
Sinceridade num olhar, sem covardia
Ouço passos na rua, calçada da minha ilusão.
Orquestra num concerto em cima de uma nuvem
Brincam com os passos nos cenários
Estrelas dançarinas que namoram na lua
Os corpos que vestem-se de noite, a brincar de sonhos
Melodia suave da nossa emoção
Eu sei sou uma mulher ...uma mãe
Que gosta da sinceridade de um olhar
Talvez eu seja antiquada.....talvez.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca


quarta-feira, 19 de março de 2014

"QUARENTA E OITO"

 "QUARENTA E OITO"

Sobre a minha cama
Estão alguns livros de poesia
Abri um livro qualquer
Mas desta vez não o li, senti alguns vazios 
E esqueci-me da voz do silêncio.
Sou uma mulher madura
Que aceita as rugas e os cabelos brancos..
Afinal daqui a pouco estarei com 48 anos, e logo 50
Se hoje eu gosto de dançar na rua
Se brinco com os meus sentimentos
Afago as palavras que me protegem.
E também as que me ferem, vá lá 
Afinal de contas vale tudo
Para ser feliz e depois vou fazer 48 anos
Sinto-me de maneira plena....completa
Marido e filhos a quem amo loucamente
Sendo assim, nunca estou sozinha.
E sou feita de uma multidão que costuma negar
A solidão ou a felicidade
Abri um livro qualquer, mas desta vez li-o
Interrompeu o meu sonho, pedindo mais um poema.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca




segunda-feira, 17 de março de 2014

ARGILA E BARRO


 ARGILA E BARRO

Somos feitos de barro, argila
Carne sofrida, podre no tempo
Podre de espírito, no corpo e alma
Lapidamos as memórias guardadas

Gritamos ao ser da nossa própria dor
Seres mutilados deixados ao abandono
Inconscientes animais ou não
Na luta de tudo, que não queremos ou queremos.
Só porque alguém tem e nós não temos.

Gemidos soltos, deixados no deserto
Onde o lobo bebe a água
Da nascente pura límpida e fresca
O homem não reconhece.....a mãe natureza
Carne podre lapidada, sete palmos de barro ou terra.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca


quinta-feira, 13 de março de 2014

"O AMOR BATEU A PORTA"

"O AMOR BATEU A PORTA"

No silêncio desta noite
Quando o amor bateu-me à porta
Não respondi fingi-me de morta
Seca sem vida, senti as palavras a querem fugir
Para o papel rasgado ao vento
Espinhos trocados na alma
Delírios de um sonho, feitos em desilusão
Confusão de tantas dores, entre os amores
Lágrimas sentidas, tardes floridas
Emoções guardadas das minhas emoções
Pedaços de mim, voam para ti
No quadro que pintamos da forma que gostamos
Lágrimas sentidas, tardes floridas
Por do sol, como inspiração, suspiro forte
Desejo intenso, emoção irreal
Transformada em ilusão
Preciso de ti na minha loucura
Quando fico, sem chão
Quando a solidão chama-me pelo nome
A lucidez escapa-me, no silêncio desta noite
Quando o amor bateu-me à porta
Não respondi, fingi-me de morta
No final não resisti a dor da solidão.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca


 

segunda-feira, 10 de março de 2014

"PUNHAL COLORIDO"

 "PUNHAL COLORIDO"

Lança da morte, punhal ferido
De espinhos numa flor, sem medo
Sem temor, amor que abraça-me
Que foge comigo, devassa-me os sentidos
Entranha-se na pele, como um grito colorido
Voz rouca de um eco que acompanha-me
Esquizofrênicos sentidos de lembranças
Feitos de vozes, gritos, gemidos, suspiros
Que iluminam de esperança as lágrimas caídas,
De uma quimera fora do tempo esquecido
Vivido de dor, fogo interno neste inverno antigo.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca


domingo, 9 de março de 2014

" APAIXONADOS "

" APAIXONADOS "

Andamos de mãos dadas, apaixonados
Como farelos lançados ao vento
Ouve-se o nosso silêncio que carregamos pelas mãos
Perfumadas e tatuadas no nosso corpo, na nossa pele.
Esquecermos o amor que nos une, é impossível de conseguir-se.

A distância pode separar os nossos corpos
Mas não separa as nossas lembranças
A paixão louca que sentimos um pelo outro
A saudade fala sempre mais alto,do que mil gritos de dor
Não acordes o silêncio, que murmura a nosso favor amor.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca



quinta-feira, 6 de março de 2014

ANJOS


 ANJOS

Os anjos são únicos
.....São lindos
Brincalhões
...........Sonhadores
Mágicos
........Brilhantes
Protetores
.....Amigos
Sinceros
.........Verdadeiros
Cúmplices
......São do meu coração.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

quarta-feira, 5 de março de 2014

DOR TEMPO


DOR TEMPO

Tira-me a dor
.....o sofrimento
As angustias
.........As incertezas
A solidão
.........A escuridão do meu peito
Deixa-me sorrir
..........Amar, sentir
Fugir deste tempo
......Dá-me amor
..........Esperança, liberdade
Desejo, paixão
........Um gesto de carinho.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca