domingo, 29 de março de 2015

"SER MULHER, A TUA"

"SER MULHER, A TUA"

Hoje desenhei a saudade no papel e vi que ela tinha olhos.
Lá fora faz sol, nesta primavera fresca da nossa vida.
E eu, em frente do computador, tento alinhar umas palavras
para me libertar por alguns momentos desta inquietação
Enquanto escrevo penso noutras coisas, penso em ti


Quero ser a mulher dos teus sonhos
Aquela que amas e mais admiras
Não quero ser aquela que nunca falha
Que é perfeita aquela que tu, colocas num pedestal
Tu sabes que sou povoada de imperfeições.
Não quero ser bajulada, mas sim muito mimada
Quero ser aquela com quem reclamas
E que reclama tantas, tantas vezes contigo.
Aquela que erra, mas que sabe pedir-te desculpa.
Que contigo adormece e te aquece quando a cama está fria.
Aquela a quem tu preparas tantas vezes com carinho
O pequeno almoço, o café pela manhã.
Quero ser aquela que te ama, e a quem tu amas
A que te dá um abraço num dia mau
E a que precisa de um carinho teu
Quero ser a mulher dos teus sonhos
Aquela que amas e mais admiras "SER MULHER, A TUA"

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

domingo, 22 de março de 2015

FIZ DA DOR UM POEMA

FIZ DA DOR UM POEMA

Fiz da dor um poema
Do vento fiz um verso
Da tempestade um amor
Do teu corpo a minha casa
Dos teus ramos os meu braços
Das tuas folhas a minha pele
Das minhas lágrimas um rio
Dos meus sonhos a saudade
Da minha liberdade as palavras
Das letras escritas uma poesia
Do meu solto coração o tempo
Do teu amor uma louca paixão
Fiz da tua, da minha vida, uma aventura.
 
Isabel Morais Ribeiro Fonseca  


segunda-feira, 16 de março de 2015

"AMAR É BOM"

"AMAR É BOM"

Como é bom
Amar e sentir-me amada
Como é bom
Poder acordar, nos teus braços
Onde me abrigo em ti
Como é bom
Protegeres-me de mim, em ti
Como é bom
Entregar-me a ti, sem reservas
Como é bom
Amar-te incondicionalmente
Como é bom
Poder acordar contigo
Com um beijo ensonado
Numa manhã nublada
Com a confiança na alma
No coração, na mente.
 
 Isabel Morais Ribeiro Fonseca

segunda-feira, 9 de março de 2015

"COMO LER É BOM"

"COMO LER É BOM"

Como é bom ler, sem fôlego
Com paixão, com amor, sem dor
As palavras, letras,  lidas, escritas
São impacientes de vontades apressadas
Irrequietas, agitadas de quereres constantes
Apressadas, inquietantes que entram de rompante.
Constantes, determinadas de ideias arrumadas
Obstinadas, decididas, sabem bem onde encaixar.
Cismadas, apaixonadas sabem por que regras guiar
É bom ler o amor, a paixão através dos outros
Sem fôlego, talvez mesmo que nada aprendamos
O que eu duvido muito meus amigos.

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

quarta-feira, 4 de março de 2015

"ESCARPAS"

"ESCARPAS"

Caminho entre as fragas da serra
Escarpas onde anda a minha alma
Rasteja nas giestas cheias de ilusão
Precipício de silvas feridas no corpo

Noite triste solitária de velhos vícios
Condenada à podridão está o crematório
Desnudo os sonhos perdidos e esquecidos
As águas que correm sem dor, sem pranto
Delírios de uma mente sã, louca talvez
Criatura torturada demente fascinante
Amor foi esquecido que tece e maldiz
Maltratado que morre em cada esquina


Discriminado odiado sem explicação.
Morte disfarçada palavras que cortam.
Noite inteira com tanta fúria de luxúria,
Intensa chama de solidão, triste quimera.
 
Isabel Morais Ribeiro Fonseca.