sexta-feira, 28 de agosto de 2015

NUNCA

NUNCA

Viver que interessa viver
Apenas luto, luto para sobreviver
Nesta puta de vida
Que só me dá dores, sofrimentos
Mas por mais cruel que seja a vida desistir nunca.
 
Isabel Morais Ribeiro Fonseca

terça-feira, 18 de agosto de 2015

SAUDOSA PEÇA DE TEATRO

SAUDOSA PEÇA DE TEATRO

Acordo e sinto que não sou eu
Sou talvez uma velha atriz sem palco
Talvez já numa peça que não acaba
Onde o pano não consegue descer
Sou alguém imaginado de mim própria
Para me sentir viva tento adormecer a dor
Exorcizo-me muitas vezes de velhos poemas
Onde desnudo-me em frases completas
Construo o amor de palavras incompletas
Sou uma pessoa igual a tantas outras
Tenho medos, mágoas, tristezas e desalento
Acordo, sinto que não sou eu , sou uma atriz
Sem palco numa peça que nunca quer acabar
Onde o pano não consegue ou não quer descer
De uma saudosa peça de teatro perdida, esquecida.
 
Isabel Morais Ribeiro Fonseca


sábado, 8 de agosto de 2015

É PRECISO

 É PRECISO Ƹ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ 
É preciso gostar, antes de amar
Antes de gostar é preciso confiar
Antes de confiar é preciso querer
Não é só receber, é dar, faz bem.
Nunca magoar ou incentivar a violência.
Nunca descrer, temos de crer Ƹ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ
Nunca criticar e devemos apoiar
Nunca ofender e tentar compreender
Nunca humilhar e defender sempre
  - Não é julgar é aceitar  Ƹ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ
  -  Não é esquecer é perdoar
Amizade é simplesmente amar
  - E para amar verdadeiramente
 É preciso ser verdadeiro. Ƹ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ

Isabel Morais Ribeiro Fonseca

terça-feira, 4 de agosto de 2015

DESPIDOS RAMOS

DESPIDOS RAMOS

- Despe-me o corpo
Como se de uma árvore tratásse
Nas tempestuosas chuvas do outono

-Toma-me nas noites quentes de verão
Nos beijos dados da minha boca

- Rouba-me os calafrios da primavera
Onde pintei o teu corpo em torno de meu

- Ama-me com os ramos despidos de folhas
Com a veracidade com que caiem no chão.
 
Isabel Morais Ribeiro Fonseca